sábado, 6 de novembro de 2010

ENCERRAMOS AS ATIVIDADES

A PAZ DO SENHOR A TODOS.

ESTE BLOG ENCERROU SUAS ATIVIDADES. NÃO FAREMOS MAIS ATUALIZAÇÕES. ELE PERMANECERÁ ON LINE PARA SER LIDO QUANDO QUISEREM.

A CONTA DE E-MAIL TAMBÉM SERÁ DESATIVADA ENTÃO NÃO VAMOS RECEBER MAIS PEDIDOS DE ORAÇÃO E ACONSELHAMENTO.

ESPERAMOS QUE DEUS ABENÇOE A CADA UM DE VOCÊS.

OBRIGADA PELO CARINHO.

CASAMENTO RESTAURADO

quarta-feira, 1 de julho de 2009

CUIDE BEM DE SI MESMO PARA TER UM CASAMENTO BEM CUIDADO



Algumas pessoas carregam tristezas, complexos e traumas por muito tempo. Na maioria dos casos, esses sentimentos tiveram início lá atrás na infância e adolescência, na família de origem.

Como não encaram esses sentimentos nem os resolvem, apenas fingem que não precisam de cura interior, acabam fazendo da fase de solteira (o) um período triste, recalcado e sem graça vivendo em desespero e em função do dia que vão arranjar alguém e finalmente se casar.

Não é fácil estar solteira (o) mas também não é o fim do mundo. Viver se sentindo um lixo apenas porque ainda não encontrou alguém é a coisa mais deprimente que existe e ninguém quer uma pessoa assim desesperada, nem mesmo você, não é mesmo?

Pesquisas indicam que pessoas que são felizes solteiras têm mais chance de serem felizes num relacionamento.

Isso é bem óbvio, afinal casamento não muda uma pessoa. Quando se casa leva consigo quem é de verdade e se não era uma pessoa feliz e realizadora, é exatamente isso que terá para oferecer num casamento.

Mas as pessoas ficam fantasiando que quando casarem serão felizes porque aí terão uma pessoa e não serão mais solitárias, porém esquecem que o papel do outro não é me fazer feliz e satisfazer, tapar meus buracos e satisfazer minhas carências que eu carreguei para dentro do meu casamento.

Ainda que uma pessoa me ame e seja companheira, é pesado demais jogar sobre ela a obrigação e a responsabilidade de fazer aquilo que nem eu mesma consegui fazer por mim: me dar felicidade e realização.

Relacionamento é um completando o outro não um carregando o outro. Nosso papel é dar amor e companheirismo não ser um peso, uma cobrança, a exigência e acusação em pessoa.

O que acontece em relacionamentos baseados nesses tipos de comportamentos é que não sobrevivem a nenhum problema que dirá uma tempestade.

Ficam um acusando o outro e nenhum assume de verdade sua participação na tragédia que virou o casamento. Por mais que o outro erre isso NUNCA muda ou diminui meus erros e reconhecer, ainda quê seja apenas eu, já é um princípio de cura, porque como parte do relacionamento e uma só carne eu também tenho minhas responsabilidades e não justifica ignorar, fazer-se de desentendida (o) porque isso não engana a Deus, nem muda de verdade a situação.

Por isso, faça uma análise da sua vida. Talvez você saiba de cor e salteado os erros do seu cônjuge mas nem sequer parou para ver os seus erros e as suas atitudes negativas.

Deus só deu uma vida para cada um, não é mesmo? Porque será? Para que cada um cuide da sua.

Mas, quando casamos acabamos esquecendo que ainda que sejamos uma só carne cada um responde por suas escolhas e não adiante culpar o outro, Diante Deus responderemos por nossas atitudes e não poderemos falar: AH! DEUS! EU SÓ SAI DE CASA POR CAUSA DELE, EU DISSE ISSO PORQUE ELA ME DEIXOU NERVOSA, EU GRITEI MAS ELA TAMBÉM ESTAVA GRITANDO, etc.

Muitas pessoas estão sozinhas porque diante das opções fizeram a pior escolha. Podiam escolher ficar em casa e resolver o problema mas preferiram sair. Podiam ter tido mais paciência e tolerância, serem mulheres sábias mas preferiram se loucas e machucar toda a família.

Existem muitas situações criadas por satanás para destruir nosso casamento e nossa família. Para isso devemos orar, jejuar e estar debaixo da cobertura da igreja.

Existem também situações provocadas por nós mesmos. A Bíblia fala que aquilo que o homem plantar isso vai colher. Então pelos frutos você verá o que plantou porque a palavra de Deus não mente.

Seus filhos não te agüentam? Preferem ficar isolados ao estar em sua companhia? Seu marido não te suporta ou sua esposa nem pode ouvir a sua voz?

Você pode culpar todos eles e se fazer de marte dizendo que é a melhor mãe ou pai do mundo e ninguém te compreende. Mas se for inteligente e tiver coragem vai olhar para dentro de si e começar uma mudança que alcançará todos a sua volta e com certeza seus relacionamentos serão frutíferos, abençoados e firmados na rocha que é Jesus.

SE VOCÊ ESTÁ NA ROCHA NADA PODERÁ TE TIRAR DE LÁ, MAS SENÃO ESTÁ TUDO A SUA VOLTA PODERÁ SER ABALADO.


Não desista dos seus sonhos!


casamentorestaurado@gmail.com






segunda-feira, 15 de junho de 2009

COMO RECONSTRUIR SEU CASAMENTO


ESTE TEXTO É UMA CONTRIBUIÇÃO DE PORTUGAL,
POR ISSO HÁ ALGUMAS DIFERENÇAS NO PORTUGUÊS



A confiança é talvez um dos elementos mais importantes de um casamento.

O que acontece quando essa confiança é quebrada por uma ou mesmo duas das pessoas em um casamento?

Um casamento pode implodir, e, infelizmente, pode acabar em divórcio.

Outras vezes, uma relação de confiança não pode ser quebrada, mas um casal tem crescido ao longo dos anos além. Como você pode passar os problemas que causaram a dor ou o distanciamento em primeiro lugar?

Independentemente da sua situação específica, esta lista de sugestões que podem ajudar a reconstruir e reparar o seu casamento.

PERDOE:

A fim de reconstruir o seu casamento, você deve perdoar o seu cônjuge para o que quer que seja que aconteceu. Isso não significa que você tem que esquecer o que ele ou ela fez, mas é honesta e sinceramente necessidade de perdoar.

Se você não pode perdoar o seu cônjuge para o que você acredita que ele ou ela fez ou disse, então você precisa perguntar o porquê. Que é isso que você está parando de perdoar ele? Se você achar que não pode perdoar ele, é pouco provável que você irá reconquistar a confiança de que é tão importante para um bom relacionamento.


PARAR O COMPORTAMENTO:

Vamos ser francos. Se você está tentando reconstruir o seu casamento devido a um problema confiança, então a pessoa que quebrou a confiança no relacionamento precisa de parar qualquer que seja ele ou ela estava fazendo que quebrou essa confiança para começar. Afinal, como um casamento pode ser reconstruído se o problema que estava causando o problema ainda persiste no casamento? Precisa parar, a fim de reconstruir.

A COMUNICAÇÃO É FUNDAMENTAL:

A comunicação é fundamental. Para reconstruir um casamento, você deve comunicar! Falar abertamente com o seu cônjuge e dizer-lhe os seus sentimentos. Não mantenha como você se sente no interior ou no frasco para cima os seus sentimentos. Identifique qual é o problema e falar sobre isso. Sua esposa (o) deve mostrar um interesse sincero na reconstrução da relação e deve ter em conta tudo o que sentem e pensam.

A melhor maneira de aprender a comunicar com o seu cônjuge durante o casamento é procurar aconselhamento. Nunca ter vergonha de procurar ajuda . Um conselheiro pode ajudá-lo tanto para validar os seus sentimentos e aprender a melhor maneira de falar uns aos outros. Acredite ou não, existem algumas técnicas - que se aplica especialmente bem sob condições estressantes - para permitir que você mantenha um diálogo.


Um conselheiro pode também ser capazes de oferecer-lhe informações sobre o que está faltando no seu casamento e te dar dicas sobre a forma de reconstruir a confiança ea intimidade novamente.


Dedique tempo juntos. Independentemente do motivo pelo qual você tem a necessidade de reconstruir o seu casamento, uma ótima maneira de fazê-lo está a passar tempo juntos. Para começar, tente executar uma data, uma vez por semana à noite. Se, uma vez por semana não é possível, então trabalhe duro para isso acontecer bimestralmente.


Converse com o seu cônjuge, tente se lembrar das coisas que você amou uma vez para fazer juntos. Leve essas idéias e use-as para o seu encontro.

Ir para lugares que você nunca tenha ido ou lugares que você gostava antes. Trazer de volta aquela velha sensação que tive um para o outro. Dêem as mãos, correr na chuva, ficar conversando até tarde da noite.

Data e hora noites juntos são maravilhosos caminhos para ajudar a reparar um casamento quebrado.E se o romance está fora de questão para você neste momento, então encontrar atividades que você pode desfrutar sem correr tanto em sua cabeça sobre questões. A idéia aqui é passar algum tempo juntos é que não conflituosa e até divertido. Isto significa que, se houvesse uma infidelidade, o que quer que faça, não vão ver um filme que inclui uma infidelidade. Você precisa construir sobre o que ainda é boa e simples entre si. Se isso significa que tudo o que podemos fazer é através do polegar um desenho revista em conjunto, que assim seja. Encontrar maneiras de gastar tempo e se divertir juntos, qualquer que seja o que significa para você.

Dê-lhe tempo. Independentemente do que aconteceu no seu casamento que ele tenha causado a necessidade de ser reconstruído, é importante saber que a reconstituição de um casamento leva tempo. Por favor, não esperamos que possa acontecer durante a noite, ou mesmo em um mês. Pode demorar um ano ou mesmo mais tempo para reconstruir o seu casamento. Se você realmente está empenhado em reconstruir o seu casamento, lembre-se. Não desista se parece estar a levar mais tempo do que previsto. Roma não foi construída em um dia - o seu casamento não pode ser reconstruído em um quer. Vai levar algum tempo!

Não compare-se com o Joneses. Você sabe o queridos - as pessoas bonitas com os dois filhos, a Volvo station wagon eo recentemente remodelado casa, que ainda parecem encontrar tempo para um outro romance. Lembre-se que cada casal tem suas questões. Nunca comparar sua situação para todo mundo, em sua própria cabeça e não certamente em voz alta para seu esposo. Você tem tropeçado em toda a sua questões particulares por uma razão - porque você precisa trabalhar através delas - por isso não romantizar as outras pessoas da circunstância. Você não tem idéia do que realmente se passa no Joneses. Concentre-se em sua própria situação, um dia por vez.

Embora este trabalho não é certamente fácil, ele irá revelar-se valer a pena no final. Você quer reconstruir o seu casamento ou saber por que razão ela não pode ser reconstruída, e você vai aprender uma quantidade enorme sobre você e seu cônjuge durante o processo. Você deve ser capaz de reconstruir o seu casamento, você vai se tornaram mais estreitas com o seu cônjuge, com melhores aptidões para comunicação e intimidade, e seu casamento vai colher os benefícios de todo o seu árduo trabalho.


Não desista dos seus sonhos!


casamentorestaurado@gmail.com

By Kaye Siders

QUE FILME É O SEU CASAMENTO?



Não é novidade para ninguém o fato de ser o casamento um grande desafio. Isso se torna mais verdade ainda quando vemos a o resultado da enquete colocada no site do Ministério OIKOS relacionada a pergunta: “Se fosse dado um nome de um filme ao seu casamento, qual desses seria mais apropriado?
O mais votado foi “A difícil arte de amar” com 34,8%. Filmes como ”Amor, sublime amor”, “Laços de Ternura”, “Um amor para recordar” e “Segredos e mentiras” também receberam considerável votação.

Certamente se considera realista aquele que pontua o casamento como uma “arte” composta de muitos “nós” que precisam ser desatados. A grande questão é que, mesmo sendo difícil, é possível.
Ao mesmo tempo em que se convive com obstáculos e desatinos, se pode conviver também com acertos, alegrias e prazeres oriundos de alinhamentos, descobertas, boa dose de paciência e muito bom humor.
A “difícil arte de amar” nos parece, a princípio, algo negativo, ruim de se encarar, mas é bem possível vê-la como algo tremendamente positivo a partir do momento em que se encara as dificuldades como desafios a serem vencidos.
Para tanto é preciso um certo investimento por parte de quem ama. Não se pode ignorar as literaturas, palestras, encontros, sermões, artigos mensagens e outras oportunidades para se conhecer melhor e para conhecer melhor o universo que abrange o relacionamento interpessoal.
Estar com o outro e, mais ainda, viver com um outro, pressupõe muitas questões que, geralmente, não são tão doces como se prevê nos finais das histórias de amor:
“E viveram felizes para sempre...”. Uma palavra que representa bem esta questão é satisfação, não no melhor sentido da palavra mas no pior. Mas existe um “pior” sentido da palavra satisfação? Sim.
É quando ela significa acomodação, paralisação ou estagnação. Existem pessoas que pararam no tempo e no espaço e quando argüidas pelos motivos de tanta letargia elas responde: - “É por nada não. Tá tudo bem!” Será que está tudo bem mesmo? Se está, por que tanta infelicidade disfarçada? Por que tanto lamento às escondidas? Por que tanto choro na madrugada? “Satisfação” pode ser um grande veneno para as relações.
Ela pode acontecer mas tem que ser temporária, porque novos desafios e novas necessidades sempre surgirão e quando chegam, é a hora de investir mais na relação, conhecer mais a necessidade do outro e buscar mais intimidade.
Vale ressaltar que quando não se tem este tipo de vivencia e consciência o “nome do filme” pode ser outro como o resultado desta mesma enquete mostrou: “Dormindo com o Inimigo” (5,1%), “A Bela e a Fera” (2,8%) e “Lua de Fel” (1,1%). Ainda que sejam em percentuais pequenos, não se pode deixar de lamentar o fato de existirem casamentos com marcas de inimizades e desencontros tão latentes. Amar é difícil, mas é fascinante. Fascinante porque é dinâmico, vivo, se constrói a cada dia, dia após dia, desafio após desafio.
A cada manhã se descortina uma nova cena desse “filme” que pode ser recheada de carinho, respeito, compreensão e boas gargalhadas. Deus, o autor do “filme” chamado casamento, tem sugerido roteiros maravilhosos. Basta apenas o bom desempenho dos “atores principais”: você e seu cônjuge.

FELICIDADE NO CASAMENTO


O propósito de Deus para todos aqueles que são casados é a felicidade conjugal. Infelizmente, essa não tem sido a realidade de muitos casais.

Temos visto muitos casamentos burocráticos, superficiais, toleráveis. Imaturidade, disputas, críticas, agressões, falta de carinho e companheirismo tem sido alguns dos problemas conjugais e que tiram o brilho da vida a dois.

É urgente a necessidade da igreja ministrar diretamente aos casais.
Quando pensamos e avaliamos a profundidade do relacionamento conjugal, ‘’...e serão uma só carne’’, expressa em Gênesis 2.24, imaginamos o quanto o plano original de Deus para o casamento tem sido frustrado. Certamente o Senhor tem se entristecido com isso.
Portanto, torna-se um valor inestimável trabalhar para ver casamentos mais felizes, pessoas mais realizadas em seus casamentos.
Concordamos com o interessante pensamento de Paul E. Holdcraft, quando afirma: ‘’há casamentos fracassados, mas tal fato não prova que o matrimonio é um fracasso’’. O casamento é uma invenção de Deus – e Deus sempre tem idéias muito boas.
Permanecer casado e feliz é tarefa que requer trabalho todos os dias. É preciso que os casais saibam disto. E a igreja deve trabalhar para que os casais tenham essa consciência e busquem a tão desejada felicidade conjugal.
Homens e mulheres tem se casado com muitas expectativas irreais e imaginação dos contos de fadas. Casamento é romantismo, relação sexual, palavras de amor; mas também é rotina, filhos, profissão, dinheiro, etc.
Sabiamente, Gary Smalley, em seu livro, “O Amor que Permanece para Sempre”, escreve: “Todo casamento terá seus tempos bons e maus, suas primaveras e verões e outonos e invernos.

O amor que permanece para sempre permite a plenitude de cada estação. Delicia-se com as cores brilhantes e com a calidez dos dias bons. Aceita os dias escuros e chuvosos, o inverno frio e os ventos quentes do verão da discórdia, esperando que alguém diga: ‘Sinto muito. Eu estava errado. Eu amo você. Você me perdoa?’’

A igreja então se insere nesse contexto ajudando os casais a viverem num casamento harmonioso, permanente e que vivam a beleza a dois em todas as fases da vida.

A igreja não tem somente a responsabilidade de levar o Evangelho até os confins da terra. Essa é realmente é uma tarefa muito nobre e bíblica, mas se a igreja não procurar investir e ajudar os casais viverem a felicidade no casamento, felicidade essa que Deus idealizou para cada casal, essa igreja precisa repensar seus propósitos no mundo.

Essa ajuda vai se dar através de um ministério sério, continuo, de pessoas chamadas por Deus e capacitadas para o desempenho de tal tarefa.

Sério porque a igreja deve entender que o ministério com casais é algo tão importante como o ministério de missões e evangelismo.
Contínuo porque não deve ser pontual, que se reduz a um evento.
De pessoas chamadas por Deus porque esse ministério não deve ser entregue ao primeiro que passar em frente ao gabinete pastoral.
De pessoas capacitadas porque esse ministério vai trabalhar com gente, com casais que enfrentam os mais diversos e problemáticos assuntos.
Por: Gilson Bifano

sábado, 30 de maio de 2009

Lutando contra a inveja


O relato abaixo expressa uma opinião. Não é uma verdade absoluta e pode ser contestada.

Lutando contra a inveja

A inveja é um mal que começou no céu. Lúcifer o anjo mais bonito invejou o lugar de Deus, quis ser como Ele. Por conta disso, houve uma rebelião no céu e Lúcifer foi expulso do céu com os anjos caídos que passaram a ser chamados de demônios.
Mais à frente vemos Caim matar Abel por sentir, entre outros sentimentos, inveja de Abel por Deus ter se agradado mais de sua oferta.
Desde o nosso nascimento até a fase adulta passamos por diversas situações. Cada uma gera em nós sentimentos bons e ruins. Imagine quais sentimentos carrega um coração que sofreu abandono, rejeição, fome ou abusos?
Imagine ainda um filho que financeiramente teve tudo mas jamais desfrutou do amor dos pais.
Há aqueles que viveram sobre o peso de não poder errar, de ter que viver sobre a tensão de sempre acertar para não ser comparado com um irmão ou menosprezado pelos seus próximos.
Esses são apenas alguns poucos exemplos de situações que acontecem na vida de milhares de pessoas quer sejam evangélicas, espíritas, católicas ou atéias, ricas ou pobres.
É inevitável que tais situações produzam dentro das pessoas sentimentos de raiva, desilusão, baixa-auto-estima, rejeição, decepção, medo, raiva e amargura, entre outros.
Quando nos tornamos adultos e mais conscientes percebemos que essas experiências ruins geraram em nós maus hábitos que muitas vezes viraram pecados.
Identificar ter coragem de assumir e enfrentar tudo isso exige de nós um esforço muito grande, pois muitas vezes somos orgulhosos e não queremos admitir que carregamos tais sentimentos, mentir para si mesmo não resolve o problema, vestir “capa” de santo, puro também não .
A bíblia diz em Joaõ 8:32 que a verdade liberta, então nosso primeiro passo é sermos verdadeiros conosco mesmos, reconhecer nossas limitações, sermos humildes e nos colocarmos diante do Senhor para que Ele nos ajude a vencer todo mal que quer nos contaminar e destruir a nós e a nossas famílias.
Analisemos juntos um exemplo:
Veja uma pessoa que não recebeu amor dos pais. Ela tem um grande vazio dentro de si e pensa que será preenchida num relacionamento amoroso.
Quando enfim conseguem se relacionar, perseguida pelo passado tem um grande medo de ser rejeitada novamente ou de perder a pessoa. Isso a torna ciumenta, invejosa e controladora. Por causa disso, ela acaba destruindo, mesmo sem querer, vários relacionamentos e por fim desfruta o que mais temia, a rejeição.

Faça outra análise com base no exemplo acima:
- Não ter amor dos pais: fator desencadeante
- Vazio, medo de rejeição: sentimento plantado pelo fator desencadeante
- Ciúmes, inveja de relacionamentos bem sucedidos, necessidade de controlar: pecado
Mesmo pessoas boas, cristãs passam por isso. São situações inerentes a vida e cabe a cada uma buscar, no Senhor, forças para não ser vencida pelos sentimentos e ter vitória sobre o pecado que quer destruir a sua vida.
Identificando a inveja
Se você se sente desconfortável quando está perto de pessoas que você considera mais bonitas ou bem sucedidas que você. Se sente mal quando tem que estar junto de um casal super feliz, ou de alguém que na sua cabeça tem tudo que você queria ter e não tem, CUIDADO: você pode estar sento atacado pela inveja.
Este é um sentimento sutil que vai se infiltrando no nosso coração sorrateiramente e quando vemos estamos nos alegrando com a desgraça dos outros e nos entristecendo com as suas alegrias, vivendo o oposto que a Bíblia nos ensina: Alegrar com os que se alegram e chorar com os que choram (Romanos 12:15)
Deus é nosso pai e nos ama. Ele mais do que ninguém sabe o que sentimos e se compadece de nossas fraquezas. Nele somos mais que vencedores (Romanos 8:35), e com Ele podemos vencer todas as coisas, desde as menores até as maiores, os gigantes visíveis e invisíveis.
Convide o Senhor para faze parte da sua história e das suas lutas. Com certeza Ele quer fazer parte das suas vitórias.
Não desista dos seus sonhos!

segunda-feira, 18 de maio de 2009

CARÁTER DE UM BOM CASAMENTO


Diz-se com freqüência que um bom casamento é uma "amostra do céu". O companheirismo de que um homem e uma mulher podem gozar em relação ao casamento é uma bênção imensa dada por nosso Criador (Gênesis 2:18-24).
Certamente, Deus destinou o casamento a ser benéfico e satisfatório para ambos, o esposo e a esposa. Infelizmente, muitos casais não descreveriam seus casamentos como "celestiais".
Estratégias Inaproveitáveis
O que podemos fazer para termos "bons casamentos"? Homens e mulheres têm tentado várias estratégias para assegurar casamentos bem sucedidos. Muitos têm raciocinado que o modo de ter um bom casamento é casar-se com a pessoa de melhor aparência possível. Conquanto não seja pecado ser fisicamente atraente, a aparência pessoal não é garantia de que uma pessoa será uma boa companheira.
O homem extremamente elegante ou a mulher impressionantemente bela com freqüência não dão bons esposos! Outros têm concluído que um casamento espetacular e uma lua-de-mel dispendiosa são o ponto de partida de um bom casamento.
Contudo, estas são coisas que não duram muito tempo e quando a grandiosidade da cerimônia e a emoção da lua-de-mel passam, é comum que o esposo e a esposa descubram que sua relação não é realmente muito boa. Ainda outros têm seguido a estratégia de acumular bens antes de casar ou, em alguns casos, de procurar uma pessoa rica com quem casar! Tal segurança financeira constituirá, pensam eles, o alicerce de um bom casamento. Algumas vezes parceiros em al relação assentada sobre a riqueza material pagarão quase tudo para escapar do casamento. O resultado de tais preparativos financeiros é que há mais bens a serem divididos quando o casal se divorcia.
Deverá ser notado que não há nada inerentemente pecaminoso em ser fisicamente atraente, ter um grande casamento e uma lua-de-mel agradabilíssima ou mesmo economizar dinheiro antes do casamento com a esperança de um padrão de vida mais alto. Cada uma destas coisas pode ser uma bênção para um casamento. Nenhuma destas coisas, contudo, resulta necessariamente em um bom casamento. Se desejamos relações satisfatórias, precisamos abandonar as soluções e valores de sabedoria humana e consultar o manual de casamento escrito por Aquele que criou o casamento no princípio. Na Bíblia podemos encontrar toda a informação que precisamos para construir casamentos bem sucedidos.
Instruções Divinas
As Escrituras ensinam que o casamento é destinado a durar até que um dos cônjuges morra (Romanos 7:1-3; Marcos 10:9). Se cada parceiro mantiver esta convicção, o casamento terá uma possibilidade maior de dar certo. Quando aparecem problemas (e sempre aparecem!), tanto o esposo como a esposa empenham-se em resolvê-los em vez de procurar escapar facilmente através do divórcio.
Quando Paulo escreveu sobre as responsabilidades dos cônjuges, ele observou que as esposas deveriam ser submissas a seus esposos (Efésios 5:22-24). Ele ordenou ainda mais que os esposos deveriam amar suas esposas (Efésios 5:25-29). Este amor (na língua grega, "agape") não é de puro sentimento ou mesmo a expressão de palavras vazias, mas é antes o resultado de uma escolha moral e expressa-se em ação.
Elcana, pai do profeta Samuel do Velho Testamento, evidentemente amava profundamente sua esposa Ana (1 Samuel 1:1-8). Ele expressou seu amor por ela através de sua generosidade. Além do mais, este tipo de amor busca o bem estar de outros independente do tratamento com que eles retribuem.
O apóstolo Paulo descreveu o caráter deste amor em 1 Coríntios 13:4-7. As responsabilidades de amor e submissão incluem outras específicas.Por exemplo, para amar sua esposa, o esposo tem que se comunicar com ela. Para procurar o melhor bem estar da esposa, ele precisa entender as necessidades e desejos dela.
Mais uma vez, observando o exemplo de Elcana e Ana, quando ela estava triste por causa de sua esterilidade e da provocação de sua rival, Elcana procurou descobrir a causa de sua angústia (1 Samuel 1:4-5, 8). Se o esposo comunica a razão para suas decisões, torna-se muito mais fácil para a esposa submeter-se.
Sem comunicação adequada entre cônjuges, é extremamente difícil, talvez impossível, ter-se um bom casamento. Comunicação franca entre esposo e esposa permite a cada um entender melhor o outro, evitando muitos desentendimentos. A participação nas opiniões, sonhos e temores através da comunicação permite uma intimidade que ajuda a unir o casal.
Honestidade
Todos os bons casamentos exigem honestidade e discrição de ambos. Tanto esposo como esposa deverão empenhar-se em sempre falar a verdade um ao outro (Efésios 4:25; Colossenses 3:9). Bons casamentos dependem da confiança e uma mentira descoberta destrói essa confiança.
A esposa que descobre que seu esposo mentiu para ela em um assunto imaginará que ele no futuro estará mentindo também sobre outros assuntos . . . mesmo que ele esteja falando a verdade. Infelizmente, aqueles que praticam o engano com freqüência acreditam arrogantemente que são muito inteligentes para "serem apanhados".
O mentiroso pode freqüentemente cobrir seu engano por algum tempo, mas as mentiras costumam ser descobertas. A esposa que esconde informação de seu esposo está também praticando o engano, uma forma de desonestidade. A suspeita que resulta quando o engano é descoberto ameaça a bela intimidade possível num casamento.
Discrição
Quando duas pessoas vivem juntas ainda que por curto período de tempo, elas podem aprender algumas coisas nada lisonjeiras sobre um e outro. Num bom casamento, o esposo não falará destas faltas de sua esposa com outros. Ele protegerá a reputação dela à vista dos outros, enquanto trabalhará para ajudá-la a melhorar nessas áreas. De modo semelhante, a esposa não discutirá as fraquezas de seu esposo com outras pessoas.
A prática de tal discrição encorajará maior intimidade na comunicação dentro do casamento. Cada parceiro sentir-se-á bem partilhando com o outro os pensamentos mais particulares porque ele ou ela sabe que estes pensamentos não serão revelados a outros.
Fidelidade Sexual
Poucas coisas destroem um casamento mais depressa do que a infidelidade sexual. Num bom casamento, cada parceiro tem não somente de se abster de atos abertos de impureza sexual, mas não deve dar ao outro causa para suspeita.
O esposo precisa evitar que seus olhos se fixem na direção de outras mulheres e a esposa tem que ser cuidadosa para que seu comportamento a respeito de outros homens seja puro (Mateus 5:27-28).
Respeito
O resumo feito por Paulo das responsabilidades do esposo e da esposa em Efésios 5:33 revela que a submissão da esposa envolve respeito ao seu esposo. Do mesmo modo, o esposo não deverá tratar sua esposa como inferior a ele porque ela voluntariamente aceitou uma posição de submissão (1 Pedro 3:7).
Em vez disso, ele deverá tratá-la com dignidade e consideração. Ele não deve diminuí-la nem tratá-la com aspereza ou amargura simplesmente porque Deus lhe deu autoridade na família (Colossenses 3:19).
Altruísmo
O egoísmo está na base de um número incrível de dificuldades matrimoniais. É extremamente difícil viver com alguém que sempre pensa só em si mesmo. Cuidar de uma criança é trabalho duro porque ela não tem consideração com as necessidades e desejos dos outros. Suas necessidades precisam ser satisfeitas imediatamente ou ela fará com que seus pais saibam de sua infelicidade por meio de gritos estridentes! Como adultos, já deveremos ter ultrapassado tal egoísmo, mas infelizmente alguns esposos agem bem dessa mesma maneira. Se as coisas não são feitas como lhes serve, eles ficam trombudos ou têm ataques de cólera, muito parecidos com os das crianças que não sabem de nada melhor. A mulher virtuosa de Provérbios 31 sacrificava-se, trabalhando para prover a sua casa (Provérbios 31:10-31). Cada cônjuge [amadurecido] deverá estar querendo pôr as necessidades e desejos do outro antes do seu próprio, se necessário (Filipenses 2:4; 1 Coríntios 13:5), e os que são infantis não deveriam casar-se!
Paciência
A paciência é o lubrificante que evita que o casamento se aqueça demais quando os problemas provocam atrito entre os parceiros. Uma falta de paciência, no mais das vezes, resulta em decisões insensatas ou irritação. Tiago deu bom conselho quando escreveu "Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus" (Tiago 1:19-20). A paciência é aquela qualidade que permite a uma pessoa suportar com calma serenidade uma situação que não é ideal ou desejável (longanimidade; Gálatas 5:22; Efésios 4:2; Colossenses 3:12).
A impaciência é quase sempre uma forma de egoísmo na qual nos tornamos furiosos porque as coisas não estão acontecendo do modo que queremos que aconteçam. Haverá muitas ocasiões durante um casamento nas quais as coisas não serão ideais!
Humildade
Algumas pessoas não querem admitir nenhuma falha. É inevitável que um cônjuge peque contra o outro. A humildade é a qualidade que permite-nos reconhecer nossa própria falibilidade, admitir nossas faltas e pedir perdão àqueles que tivermos maltratado. A pressuposição de que sempre sabemos o que é melhor ou que nunca cometemos nenhum erro é uma forma de arrogância. Tal arrogância é oposta ao amor (1 Coríntios 13:4). Num bom casamento, ambos os parceiros servirão um ao outro fazendo muitos pequenos favores.
A arrogância não permite a "atitude servil" (João 13:1-15). A humildade também ajuda a perdoar os outros que pecam contra nós, porque nos lembra que nós mesmos somos falíveis e freqüentemente necessitamos ser perdoados (Efésios 4:31-32; Colossenses 3:13). No decorrer de um casamento, haverá muitas oportunidades para perdoar seu cônjuge! Ofensas não perdoadas tendem a ser como feridas não curadas, inflamadas; elas afetam severamente a saúde da relação.
Quando alguém está procurando um bom companheiro ou simplesmente tentando melhorar uma relação conjugal existente, estes princípios ajudarão a assegurar um casamento bem sucedido. De fato, muitos desses traços característicos que promovem um casamento bem sucedido podem ser aplicados praticamente em qualquer relação humana para torná-la melhor!
­Por Allen Dvorak
Não desista dos seus sonhos!

RESOLVENDO CONFLITO MATRIMONIAL - 1

PARTES 1 A 5


Introdução

Toda família tem desacordos. O casal que nunca tem conflitos não existe. Infelizmente, conflitos podem levar a brigas sérias. Uma briga séria é aquela que desune esposo e esposa, mas nunca resolve a causa do problema. Como resultado, casais acumulam amargura, rixas, raiva descontrolada, ódio e, freqüentemente, divórcio.

O que falta a muitos casais é habilidade para discutir os desacordos e resolvê-los. Na verdade, falta-lhes a capacidade para discutir problemas sérios, chegar a um plano para resolvê-los e, então, pôr em ação esse plano. Eu ressalto que esta é uma habilidade que muitas pessoas simplesmente nunca aprenderam, mas que pode ser aprendida.

O propósito deste estudo é aprender o que a Bíblia diz sobre como resolver conflito no casamento. Estamos preocupados com conflitos em geral, mas especialmente com conflitos sérios, que destroem a relação entre esposo e esposa, e que podem levar ao divórcio.
Considere os passos seguintes, que podem ajudar casais a evitar ou a resolver tais problemas sérios.

1 - Tenha fé
Muitos casais têm brigado e altercado tanto tempo que perderam a esperança de que as coisas jamais melhorem. Eles se resignam a continuar altercando e se odiando o resto de suas vidas, ou terminam o casamento pelo divórcio.

Os casais precisam crer que, pelo poder de Deus, eles PODEM resolver seus problemas de casamento se ambas as partes quiserem realmente trabalhar nisso.

Filipenses 4:13 — Tudo posso naquele que me fortalece. Se confiarmos em nós mesmos, podemos falhar. Mas precisamos acreditar que Jesus nos proverá a força de que precisamos para agradar a Deus.

Pensamento cuidadoso nos convencerá que conflito sério no casamento não é vontade de Deus para nós. Deus criou o casamento para o bem do homem e da mulher. Ele nunca pretendeu que o casamento fosse uma fonte de ódio e de amargos ressentimentos.
Ódio, altercações amargas e desunião em nossos lares significam que alguém está desobedecendo a Deus.

O problema começou porque alguém desobedeceu a Deus ou o problema original levou alguém a cometer outros atos pecaminosos. Em ambos os casos, problemas matrimoniais sérios quase sempre envolvem pecado.

Se é assim, então podemos superar os problemas pelos mesmos métodos que a Bíblia descreve para superar outros pecados! Reconhecer que o pecado é a raiz do problema dá esperança, porque o cristão sabe que Deus tem a solução para o pecado.

Contudo, o casamento envolve duas pessoas. O problema entre duas pessoas pode ser completamente removido somente se ambas as partes estiverem querendo trabalhar nele. Se somente uma das pessoas obedece a Deus, a outra pessoa pode manter o problema vivo.

Porém, se seu cônjuge não trabalhar para melhorar o casamento, isto não remove sua responsabilidade por fazer o que você puder.

Para agradar a Deus, você tem que seguir sua vontade, não importa o que seu cônjuge faça. Você tem que acreditar que você pode agradar a Deus, não importa como os outros ajam.
1 João 5:4 — Se somos nascidos de Deus, nós superamos o mundo por meio da fé. Isto inclui superar relações familiares inadequadas, mas temos que crer que isso pode ser feito pelo poder de Deus.
Se ambas as partes se incumbem de praticar o plano de Deus, qualquer casal pode eliminar o pecado de seu casamento. E não importa se seu cônjuge obedece a Deus ou não, você ainda pode agradar a Deus se você seguir os passos que já vamos descrever. (1 Coríntios 10:13; 2 Coríntios 9:8; Josué 1:5-9; Efésios 3:20, 21).

2 - Ore pela força que Deus dá
Filipenses 4:6-7 — Não fique ansioso, mas por oração e súplica leve seus pedidos a Deus. Os cristãos deverão fazer isto para todos os seus problemas, mas especialmente para seus problemas matrimoniais. Se tivermos fé adequada no poder de Deus, oremos diligentemente pelos nossos problemas matrimoniais.

1 João 5:14 — Confie em que, se pedirmos de acordo com sua vontade, ele nos ouvirá (Mateus 6:13; 1 Pedro 5:7).
Quando temos problemas matrimoniais, especialmente os que são sérios, precisamos crer que Deus corresponderá à oração. Se tanto esposo como esposa são cristãos fiéis, então eles deverão passar mais tempo juntos e individualmente, orando pela ajuda de Deus nos seus problemas.

Lembre-se, contudo, que Deus responde de acordo com sua vontade. Se o cônjuge não é cristão ou não é fiel, então Deus não o forçará a proceder corretamente. Ele pode, contudo, dar-lhe oportunidade de aprender sua vontade para sua vida.
Quando sua família enfrenta problemas sérios, quanto vocês oram a Deus juntos e confiam no seu poder para responder a seus pedidos?

3 - Respeite a autoridade da Bíblia
Siga a Bíblia, em vez de sentimentos, sabedoria humana, etc.
Provérbios 3:5-6 — Confie no Senhor e deixe que ele guie seus passos. Não se apóie em seu próprio conhecimento humano. Muito freqüentemente, casais preocupados buscam fontes de orientação fora da Bíblia.

Algumas pessoas seguem psicólogos, conselheiros matrimoniais, etc. Outros são guiados pelos sentimentos. Pessoas se divorciam dizendo, "Não sinto mais nada por ela (ou ele)." Mas nenhuma quantidade de sentimentos pode mudar o que a palavra de Deus diz.

2 Timóteo 3:16-17 — As Escrituras provêm para todas as boas obras. Se resolver um conflito matrimonial é uma boa obra, então a Bíblia nos dirá como fazer isso. Outras pessoas podem ajudar, mas precisamos rejeitar quaisquer idéias que não concordem com a Bíblia.

A maioria de nós aceita este ponto de vista da autoridade no que diz respeito à salvação, adoração, organização da igreja, etc. Por que seria diferente a respeito de nossos lares?
(2 Pedro 1:3; Jeremias 10:23; Provérbios 14:12; etc.)

Estude o que a Bíblia diz sobre seu problema.
Salmo 1:2 — O homem justo se deleita com a lei de Deus e medita nela dia e noite. Se realmente acreditamos que a Bíblia tem as respostas, temos que estudar o que ela diz. Isto é o que faríamos sobre qualquer outro problema espiritual. Por que fazer de outro modo com respeito a problemas de família?

Atos 17:11 — Os crentes de Beréia aprenderam a verdade examinando as Escrituras dia e noite. Precisamos fazer o mesmo quanto a nossos problemas familiares.
Esteja disposto a obedecer a Bíblia.

Mateus 7:24-27 — O homem prudente não somente ouve o que a palavra de Deus diz, mas também faz. O tolo ouve, mas não obedece.

Se crermos que a palavra de Deus contém as respostas para nossos problemas conjugais, precisamos estar determinados a fazer o que ela diz, e não apenas a aprender o que ela diz.

4 - Respeite o padrão da Bíblia como autoridade no lar
Efésios 5:22-24 — A esposa precisa submeter-se ao seu esposo, assim como ao Senhor.
1 Pedro 3:1 — Ela precisa obedecer ao seu esposo mesmo que ele não esteja servindo a Deus. Uma esposa pode pensar que ela pode desobedecer ao seu esposo se ele cometer pecado, mas Deus diz que ela ainda precisa obedecer. Ela pode desobedecer somente se seu esposo pedir que ela cometa pecado (Atos 5:29).

Veremos que o esposo também tem indicações dadas por Deus para seguir quando ele toma decisões. Freqüentemente o conflito começa ou continua sem solução porque o esposo desobedece aos ensinamentos da Bíblia sobre como tomar decisões ou porque a esposa desobedece aos ensinamentos da Bíblia sobre submissão.

Resolver conflitos requer que sejam tomadas decisões. Deus proveu um modo de tomar essas decisões. Esposos precisam de prudência para tomar decisões de acordo com as direções de Deus, e precisam de coragem para tomar até as decisões duras. Então precisam de força para ver que essas decisões sejam efetivadas. E as esposas precisam de força e de humildade para aceitar essas decisões. (Tito 2:5; Colossenses 3:18; etc.)

5 - Aja com amor
Os maridos deverão amar suas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25,28,29). As esposas deverão amar seus maridos (Tito 2:4).

O amor é a preocupação com o bem estar de outros.
Efésios 5:25,28,29 — O amor de Jesus pela igreja ilustra o amor que os esposos deverão ter por suas esposas. Ele nos amou tanto que deu sua vida para que pudéssemos ser salvos. Assim o esposo deverá preocupar-se com o bem estar da esposa. Ele deverá alimentá-la e tratá-la com carinho. Ele não deverá usar sua autoridade só para agradar a si mesmo, mas para fazer o que é melhor para ela e a família.

1 Coríntios 13:5 — O amor não é egoísta.

Romanos 13:10 — O amor não obra nenhum dano para o seu próximo.

Enquanto um ou ambos os cônjuges insistirem egoistamente no seu próprio caminho, diferenças não serão resolvidas. Problemas sérios podem ser resolvidos somente quando queremos buscar o bem estar de outros, além do nosso próprio.

O amor é uma decisão da vontade.
Efésios 5:25,28 — O amor pode ser governado, porque é matéria de vontade. Podemos decidir amar ou não, assim como podemos decidir obedecer ou não a qualquer outro mandamento.
Alguns pensam que o amor apenas acontece, e não pode ser dominado: você "se apaixona" ou deixa de amar. Assim, se um casal "simplesmente não ama mais um ao outro," nada pode ser feito exceto obter um divórcio.

Mas quando percebemos que podemos decidir amar, percebemos também que podemos pôr amor num casamento. E se fracassamos em pô-lo, pecamos.
Ainda mais, assim como Cristo iniciou o amor pela igreja quando éramos pecadores que não agiam amorosamente para com ele, assim é a responsabilidade primeira do esposo iniciar o amor.

O mandamento é ressaltado para o homem. Ele tem que amar a esposa primeiro e pôr amor na relação, como Cristo primeiro amou a igreja.

Romanos 5:6-8 — Cristo amou-nos enquanto ainda éramos pecadores, não porque éramos tão amáveis que ele não pôde se conter. Ele decidiu fazer o que precisávamos que fosse feito.

Lucas 6:27-28 — Somos mandados amar nossos inimigos. Amar ao próprio inimigo é mais ou menos o que custaria pôr amor em alguns casamentos! Mas amamos inimigos, não porque incontrolavelmente "nos apaixonamos", mas porque decidimos fazer o que é melhor para eles.

A declaração "Eu simplesmente não o/a amo mais" é uma confissão de pecado! É preciso arrepender-se dela e corrigi-la como um ato da vontade!

Quando discordâncias sérias se acumulam no casamento e não são resolvidas, um ou ambos os cônjuges não está decidindo mostrar amor.

O amor precisa ser expressado em ação.

O amor deverá ser expressado pelo que dizemos.

Efésios 5:25 — Os esposos deverão amar como Cristo amou a igreja. Mas Cristo afirma seu amor pela igreja (Efésios 5:2; João 3:16). Assim, os esposos deverão expressar amor um pelo outro em palavras.
Isto não exige um "sentimento" avassaladoramente romântico, que jorra e não pode deixar de ser expressado. Estamos discutindo o amor por decisão da vontade.

Podemos e devemos afirmar, pela decisão da nossa vontade: "Quero que você saiba que ainda a amo, estou empenhado neste casamento e em seu bem-estar."
O amor deverá ser expressado pelo que fazemos.

1 João 5:2,3 — O amor a outros exige que amemos a Deus e guardemos seus mandamentos. Guardar os mandamentos de Deus é amar a Deus.

1 João 3:18 — Não devemos amar só por palavras, mas por atos e em verdade. Isto é um princípio vital em cada lar. Devemos dizer coisas amáveis, mas só isso não é o bastante. Temos que agir em amor. (Lucas 10:25-37; 6:27, 28).

O amor exige dar e dedicação.

Dar a si mesmo é a essência do amor.
João 3:16 — Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito.

Efésios 5:25 — Jesus amou a igreja e deu-se por ela.

1 João 3:14-18 — Se vemos nosso irmão em necessidade e não lhe damos o que é necessário, não temos amor.

Romanos 12:20 — Amar o inimigo exige dar de comer e de beber quando necessário.
Uma exigência básica para resolver desacordos familiares é vontade de darmos a nós mesmos pelo bem de outros.

É típico. O cônjuge se recusa a mudar porque está contrariado por alguma coisa que o outro fez. Se fôssemos ver a situação honesta e objetivamente (como se fosse problema de outra pessoa), admitiríamos que faríamos de modo diferente. Mas recusamo-nos a mudar por causa de algum hábito ou característica que não gostamos em nosso cônjuge.

A lição fundamental do amor de Cristo é que devemos desistir de nossos próprios desejos pelo bem de outros, mesmo quando eles não estão agindo da maneira que pensamos que eles deveriam. Não diga, "Eu mudarei se ele ou ela também mudar." Se uma ação é boa para outros, faça-a, não importa o que eles estão fazendo. Se temos estado errados, admitamo-lo, não importa se eles admitiram seus erros.

Mesmo se estivermos convencidos de que não somos a raiz de um problema, devemos perguntar-nos honestamente o que podemos fazer para melhorá-lo. Isto não significa ignorar o pecado. Jesus não causou nosso problema de pecado e não transigiu com o pecado, mas ele sacrificou-se para prover uma solução para o problema do pecado. Ele não foi enviado apenas para criticar-nos pelo nosso pecado, mas tornou-se envolvido para prover uma solução. Ele não fez tudo por nós, mas certificou-se de que tínhamos um modo pelo qual podemos superar nosso problema.

Um cônjuge freqüentemente criticará: "É culpa dele (ou dela), então que ele (ou ela) resolva". Mesmo se isso for verdade, ajuda? Em vez disso, pense, "O que posso oferecer para fazer — como posso envolver-me — para ajudar a resolver este problema?" Em vez de dizer, "Por que você não faz isto?" diga "Por que nós não trabalhamos juntos nisto?"

Enquanto nenhum esposo der o primeiro passo para desistir do que quer, a desavença continuará. Quando alguém quer consentir pelo bem do grupo, uma partida foi dada para a resolução do problema. Quando ambos querem consentir pelo bem do grupo, uma solução será definitivamente encontrada.

O esposo tem a palavra final, mas não poderá fazer só o que ele quer. Ele tem que pôr de lado seus próprios desejos e fazer o que é melhor para o grupo. A esposa não poderá insistir no que ela quer, mas tem que consentir e submeter-se às decisões do esposo. (1 João 4:9, 19; Atos 20:35; Lucas 10:25-37)

Por David Pratte


Não desista dos seus sonhos!

casamentorestaurado@gmail.com

RESOLVENDO CONFLITO MATRIMONIAL - 2

PARTES 6 A 8


6 - Expresse e mantenha compromisso com o casamento
Divórcio e separação não são opções.
Leia Romanos 7:2-3; Mateus 5:31-32; 19:3-9; 1 Coríntios 7:10-11. O casamento é um compromisso para a vida inteira. Pode-se divorciar escrituralmente de um companheiro somente se ele ou ela tiver cometido fornicação. Se nos divorciarmos em desacordo com as Escrituras, temos que buscar reconciliação com nosso cônjuge ou permanecer solteiro. Novo casamento não é uma opção.
Obviamente, você não vai querer nunca que seu cônjuge cometa adultério, daí se segue que cada um tem que esperar sinceramente que o casamento continue.
1 Coríntios 7:2-5 — Uma vez que a união sexual é correta somente dentro do casamento (Hebreus 13:4), marido e mulher têm que satisfazer, um ao outro, os desejos de afeição sexual. Eles não devem separar-se voluntariamente, exceto por consentimento mútuo ou temporariamente, por motivos espirituais.
Às vezes, casais perturbados resolvem separar-se. A separação causa não somente tentação sexual, mas enfraquece o compromisso matrimonial e aumenta a possibilidade de divórcio.
Dúvidas de um sobre a conduta do outro e motivos aumentam. Os problemas não podem ser discutidos e resolvidos. A Bíblia exige, evidentemente, que ambos os esposos vejam o matrimônio continuamente como compromisso.
Expresse seu compromisso com o casamento.
Algumas pessoas dirão:
"Eu gostaria de nunca ter-me casado com você."
"Eu gostaria que você tivesse morrido."
"Eu deveria ter-me divorciado de você há muitos anos."
"Se isto não parar, vou procurar um advogado."
"Estou saindo, e não sei se voltarei."
Na ausência de base bíblica para o divórcio, todas essas afirmações são pecaminosas, porque destroem a segurança e o compromisso do casamento. Elas não exprimem amor, mas são usadas como arma para ameaçar e agredir o cônjuge.
Não somente é pecaminoso praticar o erro, também é pecaminoso desejar praticar o erro ou ameaçar cometer o erro.
Provérbios 4:23 — As fontes da vida procedem do coração. Pecamos porque permitimo-nos pensar e falar sobre nosso desejo de pecar. Veja também Mateus 5:21,27,33-37, etc.
Mateus 12:35-37 — A boca fala conforme a abundância do coração. Seremos justificados ou condenados pelas nossas palavras.
Na ausência de base bíblica para o divórcio, os cristãos jamais devem fazer qualquer coisa que aparente justificar ou levar a separação ou divórcio. Em vez disso, devem deliberadamente expressar e promover o compromisso. "Eu realmente amo você. Quero tentar resolver nossos problemas, e quero que tenhamos um bom casamento."
7 - Expresse apreciação e louve pelo que é bom
Filipenses 4:6-7 — Sejam conhecidas diante de Deus as suas petições, com ações de graças. Mesmo quando estamos preocupados com nossos problemas, precisamos lembrar-nos de sermos agradecidos por nossas bênçãos.
Freqüentemente, em tempos de desavenças, ficamos tão agastados com nosso cônjuge, que deixamos de expressar apreciação pelas boas qualidades que ele tem. Isto tende a aumentar desproporcionalmente o problema.
Os esposos devem expressar apreciação por suas esposas.
Gênesis 18:22 — Não era bom o homem ficar só, por isso Deus fez a mulher para ser uma companheira para ele. A mulher que desempenha o papel que Deus lhe deu é boa para o esposo. Ela foi criada por Deus justamente para esse fim.
Provérbios 18:22 — Aquele que encontra uma esposa encontra uma boa coisa e obtém favor de Deus. Portanto, os esposos digam isso.
Provérbios 12:4 — Uma mulher digna é a coroa de seu esposo. Se assim é, então que o esposo expresse sua apreciação por ela (Provérbios 19:14; 31:10).
1 Pedro 3:7 — O esposo deverá honrar sua esposa. Contudo, muitos esposos criticam mais do que honram. Com que freqüência você deliberadamente diz ou faz alguma coisa com a intenção de honrar sua esposa? Deve ela se considerar honrada simplesmente porque já se passaram alguns minutos desde a última vez que você a insultou?
Provérbios 31:28-31 — Uma mulher digna deverá ser louvada por seu esposo. Você louva sua esposa quando ela prepara uma refeição, limpa a casa, cuida dos seus filhos, ou cumpre as responsabilidades dela como uma cristã? Ou você só critica, quando você pensa que ela erra?
Um esposo freqüentemente tem um sentimento de satisfação e realização pelo seu trabalho. Ele recebe pagamento regularmente e promoções ocasionais. Mas a esposa trabalha dia após dia em casa com a família. Se o esposo não expressar apreciação, a esposa ainda encontrará um sentimento de realização vendo seus filhos se desenvolverem, e em saber que, acima de tudo, Deus está apreciando. Mas ela terá um sentimento muito maior de segurança e de ser indispensável se seu esposo lhe disser que aprecia o que ela faz.
Deus nos diz para louvarmos nossas esposas quando elas fazem o bem. Se o fizermos, ela achará mais fácil cumprir o seu papel como dona de casa submissa.
As esposas devem expressar apreciação por seus esposos.
Romanos 13:7 — Todos os cristãos devem honrar a quem a honra é devida. Este é um princípio geral. Ele ensinará os esposos a honrar suas esposas, mas também ensinará as esposas a honrar seus maridos.
Efésios 5:33 — Porque o esposo é a cabeça da esposa (versículos 22-24), ela deverá respeitá-lo (reverenciá-lo). Certamente, isto inclui expressar apreciação por ele.
Senhoras, se seu esposo trabalha todos os dias no seu emprego para sustentar você e a família, com que freqüência você lhe diz que o aprecia? Ou você pega o salário dele e o gasta sem uma palavra de agradecimento? Quando ele faz um trabalho braçal pela casa para você, ou gasta parte do seu tempo com os filhos, ou cumpre seu papel como um homem cristão, você lhe diz que o aprecia?
Provavelmente a maior necessidade que a esposa tem é uma sensação de segurança sabendo que é amada e indispensável. Provavelmente a maior necessidade que o homem tem é a sensação de valor pessoal ao saber que é respeitado e admirado. Ambas estas necessidades são satisfeitas se esposo e esposa expressarem apreciação um pelo outro.
Se você estiver com raiva e aborrecida com seu cônjuge, faça estas duas coisas: ì Faça uma lista honesta de cada boa qualidade que ele possui e de cada boa obra que ele faz. Faça-a tão completa quanto você puder. í Depois, a cada dia, tome a firme disposição de expressar amor ao seu companheiro. Encontre alguma coisa especial que ele fez e expresse sua apreciação por isso. Isto ajudará significativamente quando chegar o tempo de discutir seus problemas, e também fará com que seus problemas pareçam muito menos sérios.
8- Discuta o problema
Disponha-se a dialogar.
Algumas vezes um cônjuge fica com tanta raiva que se recusa a conversar. Alguns homens pensam que têm o direito de tomar decisão sem discussão.
O esposo deverá estar disposto a considerar os pontos de vista de sua esposa.
Efésios 5:25-33 — O esposo é cabeça como Jesus é cabeça da igreja. Mas Deus ouve nossos pedidos em oração (Filipenses 4:6).
Efésios 5:28-29 — O esposo deve amar sua esposa como ele ama ao seu próprio corpo, mas o corpo comunica suas necessidades à cabeça para que ela tome as decisões de acordo com o que é melhor.
Tiago 1:19 — Todo homem deverá ser pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para irar-se.
1 Pedro 3:7 — O esposo tem que tratar sua esposa com compreensão. Mas, desde que os homens não são leitores de pensamentos, isto requer ouvir aos pontos de vista dela (veja Mateus 7:12).
Se o pecado está envolvido, ambas as partes têm que discutir.
Lucas 17:3-4 — Aquele que acredita que o outro pecou, deve repreendê-lo. Isto certamente se aplica no lar como em qualquer lugar (Levítico 19:17, 18; Mateus 18:15; Provérbios 27:5, 6).
Mateus 5:23-24 — Aquele que for acusado de pecado deve estar disposto a conversar para procurar reconciliação. Outra vez, isto seguramente se aplica no lar.
Observe que a pessoa que crê ter sido ultrajada e a pessoa que é acusada de fazer o mal estão, ambas, obrigadas a discutir o assunto. Se o conflito no lar deve ser resolvido, ele precisa começar pela discussão. "Calar a boca" não é uma opção.
Observe, contudo, que a "hora" adequada para discutir também é importante. Discutir na frente das crianças ou quando você estiver extremamente irritado pode não ser bom. Se for assim, não "cale a boca" somente. Em vez disso, concorde em discutir mais tarde o assunto, e acerte uma hora quando você o discutirá. Marque um encontro e cumpra-o!
(Mateus 18:15-17; Provérbios 10:17; Gálatas 6:1; Provérbios 13:18; 15:31, 32; 29:1; 25:12; 9:8; 12:1).
Falem para resolver o problema, não para ferir um ao outro.
Mateus 5:24 — A meta é reconciliar-se, não ferir as pessoas. Freqüentemente estamos querendo falar, mas somente com o propósito de impor nossa vontade. Procuramos conseguir uma vitória, provar que a outra pessoa está errada, etc. O propósito deverá ser encontrar uma solução nas Escrituras (Levítico 19:18).
Romanos 12:17,19-21 — Não retribua o mal com o mal, nem busque vingança, mas retribua o mal com o bem. Algumas vezes um casal começa a tentar resolver um problema, mas um insulta o outro, então o outro replica com outro insulto. Logo a meta se torna ver quem pode ferir mais a outra pessoa.
Muitas discussões terminam sendo brigas, porque deixamos que o problema se torne uma oportunidade para atacar um ao outro. Discuta o problema para resolvê-lo, não para ferir os sentimentos um do outro.
Quando apresentar um problema, introduza-o objetivamente e mantenha o foco sobre o problema específico. "Querida, há um problema sobre o qual precisamos conversar..." Não amplie o problema para atacar o caráter da outra pessoa. Evite dizer "Você é mesmo egoísta, isso é que é," ou "Por que você não pode ser como a esposa de Fulano"?
Ouça o ponto de vista de seu cônjuge.
Uma "discussão" exige que ambos ouçam e falem. Na prática, contudo, muitos cônjuges só querem expressar seus próprios pontos de vista.
Tiago 1:19 — Cada homem deve ser rápido no ouvir, tardio no falar, tardio em irar-se. Não entre na discussão achando que a outra pessoa não tem razões válidas para seu ponto de vista. Devemos ser rápidos no querer ouvir, e tardios para apresentar nossos pontos de vista, especialmente quando estamos irados.
SUGESTÃO
Comece a discussão convidando seu cônjuge a explicar seu ponto de vista. Não comece atacando a posição que você acha que ele mantém e defendendo seu próprio ponto de vista. Comece fazendo perguntas destinadas honestamente a ajudar você a entender o que ele pensa. "Você poderia explicar-me porque você fez isso, desse modo...?" "Você não pensou em fazer assim?"
Pode ser que ele tenha considerado sua idéia e tem alguns motivos válidos para preferir outra abordagem.
Não domine a discussão. Deixe a outra pessoa expressar seus pontos de vista. Você aprecia quando outros só atacam seus pontos de vista, mas recusam-se a ouvir o que você tem a dizer? "Ame a seu próximo como a si mesmo," e o trate como você gostaria de ser tratado (Mateus 7:12).
Examine honestamente a evidência.
João 7:24 — "Não julgueis segundo a aparência, e sim pela reta justiça."
Procure honestamente conhecer os fatos; talvez a outra pessoa não tenha feito o que você pensa que ela fez. Pergunte pelas razões pelas quais a outra pessoa mantém seu ponto de vista. Talvez ela tenha razões que você não considerou.
Só então apresente evidência para seu ponto de vista. Não faça ataques e acusações. Não salte para conclusões nem aponte motivos. Se você não tiver prova, faça perguntas. Não faça acusações a menos que tenha prova. Reconheça a obrigação de provar o que você diz ou então não o diga!
Mateus 18:16 — Pela boca de duas ou três testemunhas cada palavra pode ser estabelecida. (Atos 24:13). Não considere seu cônjuge culpado de mal feito enquanto a evidência não estiver clara. Não o condene na base de opinião ou de aparências inconsistentes, porque você não vai querer que ele o condene nessa base.
João 12:48; 2 Timóteo 3:16-17 — As Escrituras têm que nos guiar em matérias de certo e errado. Elas nos julgarão no último dia. Se há princípios bíblicos relativos ao assunto, os cônjuges devem estudá-los juntos.
Examine honestamente sua própria conduta, motivos, etc.
Considere honestamente a possibilidade de você estar errado, ou que você possa, ao menos, ter contribuído para o problema. Não encontre defeito apenas em seu cônjuge. Talvez você possa melhorar.
Gênesis 3:12-13 — Quando o primeiro casal pecou, Deus os confrontou. O homem culpou a mulher e a mulher culpou a serpente. Todos erraram, mas nenhum deles queria admitir seu erro. Isto é típico. Mesmo quando somos culpados, queremos que outros agüentem ou partilhem a culpa. "Olhe o que ele, ou ela, fez!"

Provérbios 28:13 — "O que encobre suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia." Se uma família tem problemas sérios, quase invariavelmente há pecado, mas o culpado, ou culpados, culpam outros, tentam justificar, etc. (2 Coríntios 13:5).
O orgulho evita que reconheçamos e admitamos nossa culpa. A maioria das pessoas, quando estuda um tópico como este, pode pensar em montes de pontos que se aplicam a seus cônjuges, e que tal você?
Honestidade e humildade levam-nos a buscar a verdade e a admitir quaisquer erros que tenhamos cometido. E lembre-se, mesmo se não estamos convencidos de ter causado um problema, o amor nos leva a querer envolver-nos e ajudar a resolvê-lo. (1 Tessalonicenses 5:21; Salmos 32:3, 5; Gálatas 6:1).
Seja paciente e domine seu temperamento.
1 Coríntios 13:4 — O amor é paciente. Ficamos facilmente irritados quando um assunto não é resolvido rapidamente. Resolver alguns problemas pode levar muito tempo, melhorando gradualmente. Não desista. Não espere que seu cônjuge mude da noite para o dia. Dê-lhe tempo (Romanos 2:7; Gálatas 6:7-9; 2 Tessalonicenses 3:5).

Provérbios 18:13 — Responder a um assunto antes que tenhamos ouvido completamente, é tolice. Às vezes estamos prontos para julgar um assunto antes que tenhamos meditado sobre ele do começo até o fim. Não tome decisões precipitadas.
Não pense que você pode chegar a uma decisão final na primeira vez em que um assunto aparece. Dê tempo a você e a seu cônjuge para pensar sobre o que foi discutido. Se sua discussão inicial não leva a uma solução, peça tempo para pensar sobre ela. Prometa discuti-la novamente mais tarde. É mais provável que você chegue a uma conclusão racional, e seu cônjuge saberá que você levou o assunto a sério.
Provérbios 15:1 — Uma resposta delicada afasta a ira, mas uma palavra áspera atiça a raiva. Não permita que seu temperamento faça você perder sua objetividade e recorra a ferir a outra pessoa. A raiva não é necessariamente pecaminosa, mas pode ser dominada, de modo a não nos levar ao pecado (Efésios 4:26; Tiago 1:19-20).
Por David Pratte
Não desista dos seus sonhos!

RESOLVENDO CONFLITO MATRIMONIAL - 3

PARTES 9 E 10

9 - RECONCILIE-SE

A meta não é falar sem parar, nem simplesmente dar vazão a frustrações, mas sim, resolver o problema. Você deverá buscar e determinar um plano de ação pelo qual o problema cesse de aliená-lo. Transija e tolere diferenças de ponto de vista, quando possível.

1 Coríntios 13:4 — O amor é paciente, é benigno. O amor não é egoísta.

Cada casal encontrará, um no outro, características que gostaria de mudar, mas não pode. O pecado não deve ser tolerado, mas se não há pecado e a pessoa só faz coisas que nós não gostamos, o amor não empurrará os desejos pessoais até o ponto da alienação. Aprenda a tolerar estes assuntos sem amargura.

Romanos 14 — Até mesmo algumas decisões espirituais são questão de opinião, e não de pecado. Se você não pode provar que seu cônjuge cometeu pecado, não conclua que ele seja culpado.
Tiago 3:14-18; Mateus 5:9;

Romanos 12:17-21; 1 Pedro 3:11 — Procure sinceramente uma solução pacífica para o problema. Devemos querer que o conflito termine, mesmo que desistamos de nossos próprios desejos para consegui-lo.

Em alguns assuntos, pode haver entendimento para dar e receber. Desde que nenhuma convicção bíblica seja violada, procure uma solução conciliatória: "Eu concordo nisto, você concorda nisso." Ou, "Desta vez faremos do seu jeito, na próxima vez faremos do meu jeito."

Lembre-se de considerar modos de você se envolver e ajudar seu cônjuge a fazer melhor uma tarefa, em vez de ficar sentado e criticando. Talvez, em algum assunto, terminarão cada um seguindo um caminho separado e fazendo coisas separadas (Atos 15:36-40).

Contudo, se um dos cônjuges é culpado de pecado, então é preciso ser feita uma outra abordagem.

Arrepender-se do pecado.
2 Coríntios 7:10; Atos 8:22 — Se um ou ambos os cônjuges tiverem pecado, a Bíblia diz para se arrependerem e orarem por perdão. Por que os pecados na família deveriam ser diferentes?
Arrependimento é uma decisão e compromisso de mudar. Temos que reconhecer que temos estado errados e concordar em fazer o que é certo. Se o pecado for a causa de nossos problemas, nunca corrigiremos nosso casamento enquanto não arrependermos (Lucas 13:3; Atos 17:30; 2 Pedro 3:9).

Peça perdão pelo pecado (confesse-o).
Lucas 17:3-4 — Se pecamos, temos que dizer "Arrependo-me". Algumas vezes percebemos que estávamos errados, mas não queremos admiti-lo. Enquanto não fazemos isso, aqueles a quem prejudicamos não podem saber que nos arrependemos.

Mateus 5:23-24 — Quando prejudicamos alguém, precisamos procurá-lo e corrigir, ou Deus não aceitará nossa adoração. Você tem reparado as ofensas que tem feito à sua família?

Tiago 5:16 — Temos que confessar nossos pecados uns aos outros. Algumas vezes, as pessoas com quem temos que nos desculpar são aquelas mais íntimas. Pensamos que, se admitirmos erro, elas perderão o respeito por nós. Isto é simplesmente orgulho. mas o amor não é vaidoso (1 Coríntios 13:4).

Provérbios 28:13 — Aquele que encobre as suas transgressões jamais prosperará, mas aquele que as confessa e deixa, alcançará misericórdia.

Seja preciso. Não minimize, não dê desculpas, não escape da culpa, nem recrimine. Não diga, "Enganei-me, mas veja o que você fez!" Mesmo que você esteja convencido de que seu cônjuge também está errado, admita honestamente seu próprio erro e corrija-o primeiro. Não tente salvar as aparências. Não exija que o outro o perdoe nem lhe diga como deverá tratá-lo. Apenas se humilhe e peça desculpa. Mais tarde, talvez em outra oportunidade, discuta os erros que você crê que ele precisa corrigir.

Ore por perdão.
Atos 8:22 — Pedro disse a Simão [o mágico] para se arrepender e orar por perdão. Se pecarmos, precisamos confessar, não apenas ao nosso cônjuge, mas também a Deus.

1 João 1:9 — Ele é fiel e justo para nos perdoar, se confessarmos nossos pecados.
Quando você tiver pecado, você confessará humildemente a Deus e a seu cônjuge? (Mateus 6:12; Salmos 32:5).

Perdoe um ao outro.
Lucas 17:3-4 — Quando alguém pecou contra nós e confessa, temos que perdoar, mesmo sete vezes num dia, se necessário. O perdão é freqüentemente necessário nas famílias. O amor perdoa tantas vezes que for necessário.

Colossenses 3:13 — Precisamos perdoar do modo que Deus perdoa. Como queremos que Deus nos perdoe? Será que queremos que ele diga, "Já perdoei você bastante. Não me importa o quanto você esteja triste nem que tente muito, eu não perdoarei"? Queremos que ele nos perdoe, mas depois fique jogando isso isso na nossa cara e usando-o como uma arma contra nós?

ILUSTRAÇÃO
Quando tribos indígenas fazem as pazes, elas simbolizam isso enterrando um machado. O ponto é que todos sabem onde ele está, mas ninguém iria desenterrá-lo e usá-lo para ferir outros. Portanto, o perdão não significa que não estamos mais atentos ao que aconteceu. Significa que não usaremos mais isso para ferir a outra pessoa.

Provérbios 10:12 — O ódio excita contendas, mas o amor cobre todas as transgressões. Como é sua família? Vocês se amam uns aos outros o bastante para admitir seus erros e então realmente perdoar como vocês querem que Deus os perdoe?
Veja, também, Mateus 18:21-25; 6:12,14,15; 5:7.

Desenvolva e execute um plano para corrigir o problema.
Muitos problemas estão profundamente enraizados, continuaram por longo tempo, ou causaram danos sérios. Alguns cônjuges confessam o mesmo velho pecado vezes e mais vezes, mas nunca tomam providências especiais para mudar sua conduta. Parece que eles pensam que tudo o que têm que fazer é admitir o erro de tempos em tempos!

Provérbios 28:13 — O que encobre suas transgressões jamais prosperará., mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia. Não importa quantas vezes confessamos um problema, ele não fica verdadeiramente resolvido enquanto não mudamos nossa conduta!

Mateus 21:28-31 — Jesus descreveu um filho que não fez o que seu pai mandou. Quando se arrependeu, teve que fazer o que tinha deixado de fazer. Quando nos arrependemos de erros, precisamos nos esforçar para ter certeza de que não serão repetidos. Pois hábitos permanentes, planejamento e esforço serão necessários para mudar nossa conduta.

Veja, também, Efésios 4:25-32; Mateus 12:43-45.

Atos 26:30 — Aquele que se arrepende deve produzir "frutos de arrependimento" ou fazer "obras dignas de arrependimento" (Lucas 3:8-14; Mateus 3:8). Isto inclui assegurar-nos de que não repetiremos o erro no futuro. Mas também inclui fazer o que pudermos para superar o dano causado por nossos atos errados no passado. (Conf. Ezequiel 33:14-15; 1 Samuel 12:13; Filemon 10-14,18,19; Lucas 19:8).

Quando um casal tem problemas antigos e profundamente estabelecidos, uma resolução precisa incluir acordo mútuo sobre o que os esposos pretendem especialmente fazer de modo diferente no futuro, para mudar a conduta. Eles precisam de um programa especial ou plano de ação, talvez até um que seja escrito.

Caminhos alternativos poderão ser discutidos. Os modos em que cada esposo pode ajudar o outro deverão ser acertados. Os acordos deverão incluir exatamente o que cada parceiro fará de modo diferente no futuro. Preferivelmente, estes deverão ser expostos de modo que permita que o progresso seja óbvio e possível de ser medido; deverá ser evidente quando as mudanças estão (ou não estão) sendo efetivadas. Então o casal deverá fazer promessas ou compromissos mais explícitos um ao outro, para efetivar estes atos.

Tiago 5:12 — Antes seja o vosso sim, sim, e o vosso não, não. Quando fazemos compromissos um com o outro, temos que fazê-lo conscientemente e temos que efetivar nossos compromissos. Temos que fazer as mudanças que prometemos fazer e cumprir o plano de ação com o qual concordamos. (Romanos 1:31, 32; 2 Coríntios 8:11).



10 - Procure ajuda (se for necessária)
O procedimento que descrevemos resolverá a maioria dos problemas familiares sérios, se realmente amamos um ao outro e desejamos obedecer a Deus. Mas, e se claramente há pecado numa família e o procedimento acima foi tentado, e o problema ainda continua? A Bíblia nos diz para obtermos ajuda de outros cristãos.

Fale com um ou dois cristãos fiéis.
Gálatas 6:2 — Levem as cargas uns dos outros. A primeira fonte de ajuda deve ser outros cristãos. Alguns são muito embaraçados para aceitar que outros descubram seus problemas, mas um dos primeiros passos para superar um problema é admitir que o temos.

Tiago 5:16 — Confessem suas faltas um ao outro e orem um pelo outro. Algumas vezes outros cristãos têm tido experiência em lidar com um problema desses e podem dar a Escritura ou aplicação de que precisamos. Certamente, eles podem orar por nós. Por que cristãos com problemas espirituais buscam ajuda primeiro de conselheiros que nem mesmo são cristãos?

Mateus 18:15-16 — Se teu irmão peca contra ti, vai argüi-lo entre ti e ele só. Mas se isto não resolve, procure ajuda. Leve um ou dois cristãos com você.

Muitos pensam que esta passagem não se aplica a problemas familiares, mas por que não? Ela discute casos onde um cristão peca contra outro. Onde esta, ou passagens semelhantes, excluem da aplicação os membros da família? A maioria das Escrituras que citamos neste estudo foram de aplicação geral, não dizendo respeito especificamente à família, contudo todos podemos ver que deverão ser aplicadas à família. Por que este versículo não é a mesma coisa? (veja 1 Coríntios 6:1-11).

Apresente-o à igreja, e então se retire.
Mateus 18:16-17 — Esperamos que a mediação de um ou dois outros cristãos resolva o problema, mas se não, então a Bíblia diz para apresentar o assunto à congregação. Talvez o envolvimento de toda a igreja leve a parte culpada ao seu bom senso.

Se mesmo isto não resolver o problema, então aquele que está claramente em pecado precisa ser expulso (2 Tessalonicenses 3:15; 1 Coríntios 5; etc.).

Isto não quer dizer que devemos correr para a igreja para todo problema pessoal. Mas se o pecado está claramente envolvido e os esforços privados não levam ao arrependimento, Deus dá o modelo do procedimento. Em muitíssimos casos, o pecado continua em nossos lares porque somos demasiadamente orgulhosos ou tolos para seguir o caminho das Escrituras para buscar auxílio.

CONCLUSÃO
As Escrituras nos equipam para todas as boas obras, incluindo como resolver problemas em nossos lares. Há esperança para casamentos perturbados. Podemos resolver nossos problemas do modo de Deus. Se não fizermos assim, não temos ninguém a quem culpar, senão a nós mesmos.

Por David Pratte

Não desista dos seus sonhos!

casamentorestaurado@gmail.com

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Como lutar pela restauração do meu casamento?


Existem publicadas diversas matérias, palestras e ministrações incentivando e estimulando as pessoas a lutarem por seus casamentos. No entanto, estes mesmos artigos pouco esclarecem sobre o que na prática deve ser feito. Aí surgem inúmeras perguntas sem respostas.
Talvez você também já tenha se perguntado O QUE FAZER?


Vamos conversar sobre algumas possibilidades e você analisa quais se encaixam com a sua fé:

- Em primeiro lugar é preciso reconhecer que pelas suas forças e sabedoria humana você não tem condições de vencer o mal que sobreveio sobre seu casamento, afinal, se você pudesse resolver tudo sozinho ou se suas estratégias fossem boas vocês não teriam chegado onde chegaram;

- Isso não significa admitir que é fracassado, mas admitir que Deus sabe mais do que cada um de nós e seguindo a orientação Dele é impossível não conquistar a vitória;

- Reconhecer e aceitar que você necessita de Deus e buscar ajuda Dele para realmente vencer esta batalha;

Colocando a fé em ação:

- Se você não pertence a nenhuma igreja é hora de procurar e estar debaixo de uma cobertura espiritual para receber palavra, apoio e orientação para lutar contra o mal que quer destruir sua família;

- Se você já serve a Jesus, Glória a Deus!. Procure na sua igreja pessoas que enfrentaram problemas semelhantes e já venceram para que te ajudem nesta caminhada;

- Se na sua igreja as pessoas são motivadas a se conformar e esperar para ver se um dia Deus faz alguma coisa e nada acontece isso é um problema sério.
Como você pode esperar por um milagre num lugar onde milagres não acontecem? Como você pode crer que Deus cura se há pessoas há anos com os mesmos problemas? Como você pode crer que Deus restaura um casamento se há casais que chegaram na igreja com problemas e continuam com mesmos problemas e às vezes até piores?

- Existem milhares de pessoas enchendo os bancos das igrejas vivendo os mesmos problemas há anos. Há aqueles que são os responsáveis porque não fazem nada, buscam pela mudança do outro e esquecem que eles precisam também de transformação. São visitantes há anos, e por outro lado há igrejas que fazem muito barulho mas nada acontece na vida de ninguém;

- Procure servir a Deus num lugar onde realmente a palavra Dele seja pregada e se cumpra. Se Deus diz que cura, transforma e até ressuscita mortos e você diz que o serve então sua vida deve refletir isso e os milagres precisam acontecer.

Usando a fé inteligente:

- Quantas palavras e ministrações você já ouviu? Quantas realmente colocou em prática?

- Muitas vezes as pessoas ouvem o que devem fazer, mas não fazem. Colocam obstáculos e impedimentos e aí não vivem a promessa;

- Seja sábio (a). Não busque orientação de alguém ou de um pastor se você não está interessado em obedecer. Pois uma vez que você sabe o que deve fazer e não faz, ou faz ao contrário, será você mesmo que terá que conviver com as conseqüências da dureza e rebeldia do seu coração;

- Oração e jejum são as armas do filho de Deus para lutar contra o inimigo, então se coloque na presença Dele e o busque incessantemente até receber a resposta;

- Não desanime. A guerra não é fácil, mas fica pior se você se recusar a lutar. Só alcança vitória quem luta, não quem fica se recusando a entrar na luta;

- Não deixe a ansiedade tomar conta do seu coração. Não se precipite também;

- Famílias restauradas são formadas em primeiro lugar por pessoas curadas, então quando enfrentar por uma crise, não esperneie como uma criança dizendo que Deus é o culpado. Olhe para a sua vida e veja como você contribuiu para esta situação e como pode cooperar com Deus e também ser curado. Assim como você não pode fazer a parte Dele, Deus também não fará a sua parte;

- Lembre-se: : Não importa ter roupa de soldado, aparência de soldado e falar como soldado se na hora da luta você recua. Não adianta dizer que serve a Deus, e na hora das adversidades se voltar contra Ele ou contra as pessoas. Nossa revolta deve ser contra os problemas não contra Deus ou as pessoas.

Deus é contigo e Ele é sempre maior que o problema.

Creia Deus pode e vai restaurar seu casamento.

Não desista dos seus sonhos!

casamentorestaurado@gmail.com


quarta-feira, 6 de maio de 2009

Será que eu quero a restauração da minha família?



Deus tem salvação, cura e restauração para todas as famílias, mas será que as famílias querem saber de Deus?
Tenho lido inúmeros e-mails contando os mais diversos problemas familiares. Homens e mulheres dizem já não suportar a dor que é imensa diante de situações adversas como separações, brigas, violências e traições.
Acredito que cada um esteja falando a verdade e me solidarizo com a dor que carregam. Porém, nem todos são sinceros quando dizem que estão dispostos a lutar pela sua família.
Vejo as pessoas até desejosas por mudança, entretanto acomodadas. Reclamam da sua vida mas são profundamente rebeldes e duras, são incapazes de ouvir um único conselho e praticá-lo, seguí-lo com firmeza. Não fazem absolutamente nada por suas famílias e acham que as coisas vão mudar sozinhas, pensam que o milagre só depende de Deus e esquecem que depende delas também.
Vão a igreja cumprir um ritual, praticam uma fé emocional nos cultos e quando saem da igreja, antes mesmo de chegarem em casa, já estão desanimadas e sem esperança novamente. Insistem em seguir igrejas onde sequer vêem milagres e mesmo assim ficam na mesmice achando que a vida é assim porque Deus quer que seja e ainda falam mal das igrejas onde os milagres acontecem.
Você é daqueles que ficam questionando quando vêem um testemunho?
Acha que é tudo armado e que as pessoas são pagas para falar aquilo?
Diz que Igreja só sabe pedir dinheiro?
Se acha injustiçado (a) e diz que Deus só abençoa os outros?
Se você é alguém que age e pensa assim, eu tenho uma má notícia: SUA VIDA, SUA FAMÍLIA E SUAS FINAÇAS VÃO CONTINUAR NA MISÉRIA!
A fé tem que ser inteligente, ou Deus é contigo e sua vida muda ou quem você serve não é a Deus porque sua vida continua a mesma entra ano e sai ano.
Ou você luta com Deus pelo seu casamento e ele é transformado ou o que você chama de lutar é um sofrer em vão que não está surtindo nenhum efeito na sua vida familiar.
Deus não falha e não mente, se Ele ressuscita um morto porque ainda não ressuscitou seu casamento? É porque Deus não está fazendo a parte dele ou é você quem não fazendo a sua?
Pode ser que na sua cabeça você tentou de tudo, mas quem planta tudo colhe tudo e como você está colhendo o nada? Alguma cosia está errada, não é mesmo?
Famílias restauradas e salvas são formadas por pessoas transformadas e salvas, por isso o primeiro passo é se abrir para que Jesus faça a diferença na sua vida antes de qualquer coisa, é preciso ter uma vida que realmente demonstre alguma diferença.
Quando Deus encontra lugar na vida de uma pessoa começa então a entrar a cura, o bálsamo de Gileade que limpa todas as feridas, traumas e decepções. Vem o quebrantamento e o arrependimento, brota a esperança e nasce o desejo de ter uma vida diferente e se empenhar para ter esta vida.
Este processo não é só individual pois toda a família e quem está ao redor é impactado pela transformação que Deus opera.
O poder do Espírito Santo entra dentro de você e agora você não está mais só para enfrentar a vida. Sua guerra é a guerra de Deus e ele com a própria mão te conduz pelos caminhos certeiros que vão te levar a vitória que tanto seu coração deseja.
Vencer é um dom que só repousa sobre a vida daqueles que realmente estão abertos e dispostos a fazer sua parte porque Deus não falha em cumprir a parte que lhe cabe.
Faça uma análise sincera da sua vida. Assim como a dos demais seres humanos ela não tem sido fácil. Mas faça uma retrospectiva: Quantos conselhos, pregações e aconselhamentos você já ouviu? Quantos você realmente seguiu a risca?
Se Deus te falou algo faça, não endureça o seu coração mais decida resolutamente seguir a Deus até as últimas conseqüências e Ele transformará sua vida da água para o vinho em nome de Jesus.
Se revolte, não se acomode.


Dê uma chance para Deus fazer aquilo só Ele pode fazer na sua vida.

sábado, 18 de abril de 2009

Vendo O Casamento Pelos Olhos de Deus



"Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade..." (Malaquias 2:14).

"Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6).

"Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento...para que não se interrompam as vossas orações" (1 Pedro 3:7).

O casamento não é invenção humana que pode ser definida e destruída conforme os caprichos egoístas dos homens. O casamento foi criado por Deus. Ele é testemunha dos nossos votos e está preparado para julgar a nossa desobediência.

Desrespeito pelos compromissos do casamento destrói a nossa comunhão com o nosso Criador. É imprescindível que aprendamos a ver o casamento como Deus o vê.

"Cada um tenha a sua própria esposa"
Em 1 Coríntios 7:2, Paulo repete o princípio que Deus estabeleceu quando criou o primeiro casal. "Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne" (Gênesis 2:24).
As palavras de Jesus em Mateus 19:4-6 afirmam que a intenção de Deus desde a criação de Adão e Eva era que o homem fosse fiel a uma esposa legítima até a morte. As palavras que descrevem o primeiro casamento mostram que o Senhor pretendia que outros seguissem o mesmo padrão.

Adão não tinha pais para deixar, mas os filhos de centenas de gerações posteriores têm cumprido este aspecto do princípio perpétuo estabelecido no Éden. Mesmo em sociedades corrompidas por anarquia e iniquidade, o casamento mantém uma posição honrada (Hebreus 13:4).

A relação do casamento: Dois se tornam um

Juntar duas pessoas numa união completa descreve vividamente a beleza do casamento que Deus planejou. Deus não pretendia deixar o homem sozinho; então ele lhe deu a companheira perfeitamente adequada. Quando um homem e uma mulher se casam, eles formam uma nova e única unidade. Eles dividem uma relação sexual especial que jamais deve ser compartilhada com outros (1 Coríntios 7:3-5).

Quando a mulher segue a liderança de amor do marido (Efésios 5:22-33), os dois participam juntos de sonhos e sofrimento, de conquistas e calamidades, do vigor da juventude e da fragilidade da velhice. Para este par privilegiado, a vida não se define mais com a palavra eu, e sim com a palavra nós.

Ao longo dos anos, a fusão de duas mentes na busca da mesma meta eterna cria uma intimidade e compreensão sem igual em relações humanas. A faísca de admiração no olhar de uma jovem noiva é apenas uma sombra do brilho constante no olho de uma mulher que superou décadas de desafios da vida com o homem que ela ama. O prazer que o noivo sente quando toma a mão da sua noiva é meramente um presságio do carinho que sentirá anos depois quando toma a mão de sua mulher, então envelhecida, para firmar os seus passos incertos.

O perigo de desconsiderar os princípios divinos
Aqueles que desprezam a perfeição do plano divino sofrem as tristes conseqüências de lares quebrados, corações esmagados, e espíritos quebrantados. Uma sociedade que apóia divórcios pecaminosos e incentiva casamentos ilícitos ceifará o que semeia. O sacrifício necessário para casamentos bem-sucedidos é sufocado pelo egoísmo que os destrói. O amor que fornece segurança é substituído pela lascívia que deixa esposas e filhos inocentes abandonados e desprotegidos num mundo cruel.

Nem leis humanas nem doutrinas engenhosas podem mudar o fato que Deus permite apenas dois motivos para contrair novas núpcias: morte do primeiro companheiro (Romanos 7:3; 1 Coríntios 7:8-9,39) ou divórcio porque o parceiro cometeu adultério (Mateus 19:9).

Outros abusos da vontade de Deus também causam destruição. O sexo antes do casamento, incluído no termo bíblico fornicação ou relações sexuais ilícitas, sempre está errado (1 Coríntios 6:9-11,18; 7:2; Gálatas 5:19; Hebreus 13:4). Mesmo quando perdoado pela graça de Deus, o sexo antes do casamento, muitas vezes, traz graves conseqüências. Além das possíveis conseqüências físicas, a fornicação pode roubar o casamento posterior da intimidade especial que Deus fez para ser dividida exclusivamente por pessoas casadas.

Relações homossexuais são outra perversão do plano de Deus. Todas as tentativas de "autoridades" humanas a defender a conduta homossexual como algo "natural" não podem apagar as palavras nítidas de Romanos 1:26-27 e 1 Coríntios 6:9-11. Homossexuais, como fornicadores, adúlteros e todos os outros pecadores, precisam se arrepender para buscar o perdão de Deus (Lucas 13:3; Atos 2:38; 8:22; Mateus 3:8).

Abençoados por nosso Criador
O casamento é uma das ricas bênçãos preparadas para nós pelo benevolente Criador. Quando seguimos o plano dele, gozamos das maravilhas do amor e da segurança nesta vida, e a expectativa de um lar perfeito na eternidade.

Por Dennis Allan

Não desista dos seus sonhos!

casamentorestaurado@gmail.com

Deus Perdoa Quem Perdoa



"Se perdoarem as ofensas dos outros contra vocês, o Pai que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem os outros, o Pai também não perdoará as ofensas de vocês." Mateus 6:14 e 15.

Amor a Deus e ao próximo são aspectos muito intimamente relacionados da religião proposta por Jesus Cristo. E é curioso que, através da visualização desse sentido vertical e também horizontal de Sua mensagem, obtém-se uma espécie de cruz -- símbolo máximo do cristianismo tradicional, que tanto aponta para cima em direção ao Pai quanto para os lados, onde encontramos nossos semelhantes.

Nenhuma outra figura seria tão adequada para ilustrar a interdependência desses tópicos. Afinal, Jesus deixa bem claro que, se não agirmos amorosamente em relação ao próximo, não podemos esperar uma reação amorosa de Deus às nossas súplicas. Não adianta pedir-lhe perdão se , em nosso íntimo, permanecem restrições e mágoas para com outras pessoas.
Assim como não há limites para o perdão divino, também não deve haver limites de tolerância entre nós e o semelhante. Parece exagero, mas Jesus ensinou que mesmo que alguém nos ofendesse setenta vezes sete num só dia e, arrependido, toda vez nos procurasse para pedir desculpas, ainda assim deveríamos perdoá-lo. ( Lucas 17:4 e Mateus 18:21 e 22)
Acredite em Jesus: Só perdoando se é perdoado!

sábado, 11 de abril de 2009

Páscoa: a ressurreição de todas as coisas mortas



Ressuscitar significa fazer voltar à vida. Jesus morreu por causa da injustiça, incredulidade e dureza do coração dos homens. Ele foi rejeitado por pessoas conhecidas não estranhas, traído, surrado, maltratado e crucificado.
Mas havia um propósito sobre tudo isso. Deus enviou Jesus para morrer em nosso lugar e levar sobre si todas as nossas dores e enfermidades. Ao 3º dia Jesus ressuscitou e venceu a morte e está assentado ao lado do Pai.


Cada um de nós tem uma área ou situação da vida que está ferida quase a beira da morte. Os casamentos e relacionamentos, por exemplo, infelizmente estão repletos de contendas, brigas, violência, insegurança, falta de tranqüilidade e temores. Estão tão cheios de enfermidades que a morte parece inevitável.


Jesus para ressuscitar e representar o maior milagre de todos os tempos precisou antes morrer. Da mesma forma, o seu casamento precisa morrer para ressuscitar. Existe uma morte que não é o fim, é a morte que vem de Deus e que permite que todas as coisas ruins cessem, que o passado fique para trás, as lembranças ruins sejam apagadas e que o temor do futuro seja aniquilado. Para seu casamento viver a ressurreição ele precisa morrer primeiro.


Jesus é única esperança para todas as coisas mortas do seu casamento. Ele é Senhor da vida e venceu a morte para que tivéssemos vida em abundância. Seu casamento também pode ter esta vida em abundância.


Quando buscamos ao Senhor e perseveramos deixamos para trás toda a morte e abraçamos a vida. Parece um passo simples mais muitos estão morrendo por se recusarem a dar este passo. Estão tão cansados de lutar que acham que não tem mais jeito.



Esta palavra é para você que já conhece a Jesus, que freqüenta a igreja há muito tempo e também para você que nunca serviu a Jesus: Há esperança para seu casamento! Tem jeito, Tem solução, Tem vida.


Assim como Jesus ressuscitou do meio dos mortos, seu casamento pode ser completamente restaurado e sua história mudada.


Nesta Páscoa, faça um propósito com Deus de lutar com todas as forças pelo seu casamento e pela sua família. Mesmo que todas as circunstâncias sejam contrárias, adversas, que todos falem que é loucura e que não tem mais jeito, coloque seus olhos em Jesus, derrame sua vida aos pés da cruz e aguarde com confiança pela ressurreição que Ele vai derramar sobre o seu coração e o seu casamento.


Lute, busque mesmo que seu companheiro (a) não lute ao seu lado. Faça a sua parte que Deus não terá como não fazer a Dele. Seu casamento vai reviver diante dos olhos de todos aqueles que duvidaram e será um grande testemunho para outros casamentos, pois verão que da mesma forma como Deus mudou a sua história pode mudar a história deles também.
Não desista dos seus sonhos!