segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

* Violência doméstica: uma reação não cristã

A violência doméstica é um padrão de comportamento violento e coercivo exercido por um adulto contra outra pessoa com quem mantém íntimo relacionamento.
Pode consistir em espancamentos repetidos e severos ou em formas de abuso mais sutis, incluindo ameaças e controle. As estatísticas refletem que 95% das vítimas de violência doméstica são mulheres, embora os homens também possam ser vítimas.
Independentemente de quem seja a vítima, entretanto, a violência dentro da família é um problema grave que precisa ser abordado por comunidades religiosas no mundo inteiro.
Quatro tipos básicos de violência domésticas:
1. A agressão física inclui comportamentos como puxar, empurrar, segurar, bater ou chutar. Pode ocorrer com freqüência ou não, mas em muitos casos tende a aumentar em gravidade e freqüência com o passar do tempo.
2. A violência sexual ocorre toda vez que um parceiro impõe um ato sexual indesejado ou recusado pelo outro parceiro.
3. A violência psicológica inclui afastamento de familiares e amigos, dependência financeira forçada, abuso verbal e emocional, ameaças, intimidação e controle sobre lugares aonde o parceiro pode ir e o que pode fazer.
4. Os ataques contra a propriedade e animais de estimação podem incluir dano ou destruição de objetos domésticos de valor sentimental pertencentes à vítima, atingindo paredes, maltratando ou matando bichos de estimação, e também constituem violência doméstica.
Perfil de mulheres maltratadas e seus agressores
As mulheres espancadas são tão diferentes umas das outras quanto as que não sofrem violência. Vêm de todas as esferas da vida, todas as raças, níveis de escolaridade e religiões. Qualquer pessoa que conviva com um dos padrões de abuso mencionados acima é vítima de violência doméstica.
Assim como ocorre com as mulheres espancadas, os homens que agridem tampouco se encaixam em alguma categoria específica. Eles também vêm de todos os tipos de classe social, raça, religião e ocupação. Podem estar desempregados ou ser profissionais muito bem remunerados.
O agressor pode até sustentar muito bem a sua casa, ser um sóbrio e admirado membro da comunidade, e respeitado membro de igreja.
Porque as mulheres permanecem em um relacionamento abusivo
A vítima freqüentemente continua num relacionamento abusivo porque teme que seu agressor se torne mais violento se ela o deixar, assim como ele pode tê-la ameaçado. Muitas temem pela própria vida, e com razão. Podem achar que ele tentará tirar dela os filhos. Podem ter medo de não conseguir, sozinhas, sustentar-se a si e aos filhos. Muitas vezes se sentem constrangidas e envergonhadas de admitir que sofrem violência. Podem permanecer porque necessitam de amor e afeição, e porque temem que ninguém mais as queira.
Talvez, também, tenham procurado ajuda mas foram aconselhadas por bem-intencionados líderes da igreja e amigos a tentar mais um pouco ser uma boa esposa, a orar mais e a ter fé em que as coisas vão melhorar. Ou quem sabe alguém lhes disse que é seu dever cristão continuar com o casamento, por amor aos filhos e sua responsabilidade para com o marido.
Essas abordagens as levam tão-somente a concluir que não há esperança de escape para o seu problema. Muitas precisam de ajuda para entender questões profundas como a compreensão cristã do sofrimento, a submissão mútua no casamento, a diferença entre disciplina e punição, arrependimento que inclua uma mudança no comportamento e a restituição quando for o caso, o perdão como processo e o discernimento que capacitará as pessoas envolvidas a saber se um relacionamento deve ser restaurado ou sua perda lamentada.
As vítimas da violência doméstica precisam entender que o abuso não é culpa sua.
Precisam ter a certeza de que não estão sozinhas e que existe auxílio. Necessitam de assistência prática para identificar e acessar os recursos disponíveis. Podem necessitar de proteção e auxílio para processar as questões espirituais que surgem na sua mente.
Os agressores também precisam de ajuda para assumir a responsabilidade pela dor que causam na vida de membros da família que deveriam estar contando com seu amor e apoio. Precisam ser considerados responsáveis por seus atos e incentivados a buscar a necessária intervenção profissional para que se produza uma mudança no comportamento, se é que há esperança de serem restaurados os relacionamentos.
Compreendendo o ciclo do abuso
Em alguns relacionamentos abusivos, repete-se um ciclo que muitas vezes prolonga a tolerância da mulher para com a situação, porque ela acredita que a situação com certeza vai melhorar.
O ciclo tem três fases:
Fase I. Durante esta fase de aumento da tensão, a esposa se esforça muito para evitar os comportamentos que ela sabe que vão desgostar o marido. Aprende a paparicar, agradar e condescender. Tenta ler os sinais de uma raiva que cresce, escolhendo maneiras de conduzir-se através de seus contatos diários. O agressor, em tensão crescente, a observa em busca de motivos para culpá-la por sua raiva.
Fase II. Este estágio agudo é dominado pelo incidente do espancamento. Entendendo que sua raiva está fora de controle, ele encontra motivos para culpá-la e ensinar-lhe uma lição. O mínimo incidente provoca sua ação. O reino de terror pode durar horas ou dias. O temor de que qualquer esforço de sua parte para procurar ajuda irá somente aumentar a violência, muitas vezes a impede de confidenciar o fato a alguém.
Fase III. Geralmente se segue um período de bondade, contrição e comportamento amoroso por parte do marido. Freqüentemente ele suplica perdão e faz lacrimosas promessas. Ela deseja muito acreditar que ele mudará. Muitas vezes ela sente que é sua responsabilidade manter a família unida e conceder a ele outra oportunidade de melhorar. Mas quando entende que a bondade dele ou suas promessas constituem uma mudança de atitude e comportamento, ela adota um otimismo fora da realidade.
As mulheres, iludidas pelo ciclo do abuso, precisam entender que a violência doméstica é um comportamento que se aprende. Os agressores viram o abuso exemplificado, com freqüência nas famílias onde foram criados. Também experimentaram pessoalmente o poder e o controle que um comportamento abusivo lhes oferece. Não são meramente vítimas de circunstâncias estressantes, mas decidem exercer poder e controle sobre outros através de um comportamento abusivo, e ESCOLHEM seletivamente suas vítimas.
Se não houver uma mudança de atitude e comportamento por parte do agressor, o abuso previsivelmente aumentará e os relacionamentos não poderão ser restaurados com segurança.
A intervenção profissional pode pôr um fim a algum incidente futuro de violência doméstica se o agressor estiver disposto a aceitar a responsabilidade por seus atos e procurar tratamento. Mas a violência não desaparece por si. É essencial alguma intervenção. Os objetivos dessa intervenção são proteger a vítima, fazer cessar o abuso, considerar o agressor responsável e auxiliar os envolvidos a ter acesso aos serviços profissionais necessários.
Uma reação apropriada por parte da igreja A Bíblia indica claramente que a marca distintiva dos seguidores de Cristo é a qualidade de seus relacionamentos humanos. As relações cristãs são caracterizadas pelo amor e a reciprocidade, em lugar do controle tirânico e do mau uso do poder e da autoridade. A metáfora do Novo Testamento para a igreja como a “família da fé” sugere que a igreja deve funcionar como um clã, oferecendo aceitação, compreensão, conforto e auxílio prático para todos, especialmente para aqueles que estão feridos ou sofrem desvantagens.
A Igreja pode fazer muito para cessar a espiral descendente do abuso e da violência dentro das famílias, ajudar as vítimas e os agressores a encontrar auxílio e impedir a continuação da violência nas famílias das gerações futuras. O evangelho conclama a comunidade da fé a:
- Afirmar a dignidade e o valor de cada ser humano e denunciar todas as formas de abuso sexual e emocional e violência doméstica.
- Reconhecer a extensão global do problema e seus efeitos graves e de longo alcance sobre a vida dos envolvidos.
- Considerar os agressores como responsáveis por seus atos e ressaltar as injustiças do abuso, falando em defesa das vítimas.
- Romper o silêncio e criar uma atmosfera onde os segredos possam ser revelados e encontrado auxílio.
- Impedir o ostracismo dentro da família e da comunidade da igreja.
- Procurar auxílio profissional e colaborar com serviços especializados para ouvir e atender os que sofrem abuso e violência doméstica, amando-os e confirmando-os como pessoas de valor.
- Proporcionar um ministério de reconciliação dentro do qual a mudança de atitude e comportamento abra a possibilidade de perdão e um novo começo.
- Assistir famílias de relacionamentos deteriorados, sem esperança de restauração.
- Abordar as questões espirituais que afligem as pessoas maltratadas.
- Buscar compreensão das origens do abuso e da violência doméstica e desenvolver melhores meios de evitar o ciclo repetitivo.
- Fortalecer os membros dessas famílias mediante instrução e oportunidades de enriquecimento que os capacitem a relacionar-se uns com os outros de maneira mais saudável.
Brochura preparada pelo departamento do Ministério da FamíliaAssociação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia12501 Old Columbia PikeSilver Spring, MD 20904, EUA, 1996.
Não desista dos seus sonhos!

Um comentário:

Raphael disse...

Boa Tarde a todos, gostaria de pedir aos irmãos que orem por meu casamanto tenho 24 anos e minha esposa 23, estamos casados a 3 anos e meio, estamos separados a 3 meses, o motivo foi bigas discurssões falata de entendimento e acusações da parte dela, dizendo que ligavam pra ela falando que e eu estava traindo ela, isso não é verdade amo minha esposa, e estou pedindo ajuda a Deus pois não tenho mais forças para lutar sozinho, quero muito meu casamento restaurado eu a amo, sinto muito sua falta, peço que me ajudem em oração, ela ja até pediu a separação no litigioso, porque eu não aceitei o concensual, os papeis ja estão rolando na justiça ,mais sei que existe um Deus que resussita mortos faz cegos enchegarem e é por isso que tenho certeza que ele pode restaurar meu casamneto, eu creio, me ajudem por favor!!Felipe e-mail ferapaz@gmail.com